No dia 7 de fevereiro, esse tuíte da Blizzard Arena Los Angeles chamou bastante a atenção.

Normalmente não temos intérpretes de Linguagem de Sinais Americana (ASL) na Liga Overwatch, então por que havia alguém ali naquele dia? Para quem estava interpretando? E como é ser um fã surdo da Liga Overwatch? Como isso é diferente?

Danik, 13 anos, é a pessoa que solicitou os intérpretes originalmente. Ele se apresentou para mim no Discord como “um grande, grande, grande, grande fã de Harry Potter” que adora jogar Overwatch e Minecraft e pretende jogar pela Los Angeles Valiant.

A Organização Mundial da Saúde estima que cerca de 466 milhões de pessoas em todo o mundo sejam surdas ou tenham deficiências auditivas; isso dá 5% da população global. Segundo estimativas, 300 dialetos de linguagem de sinais são usados ao redor do mundo; ASL é o utilizado nos Estados Unidos. É um idioma visual e gestual, ou seja, o que passa o significado não é apenas o que você faz com as mãos, mas também sua expressão facial e seus movimentos.

Quando Danik solicitou intérpretes de ASL para sua visita à Liga Overwatch, a equipe da Blizzard Arena buscou a The Sign Language Company, com quem a Blizzard trabalhou antes para a BlizzCon. Foi assim que a Blizzard organizou os dois intérpretes daquele dia em especial: Ashley Change e Jann Goldsby. Embora eles já tivessem interpretado todo tipo de coisa na BlizzCon, como painéis, sessões de perguntas e respostas, cenas de jogo e até concertos, essa foi a primeira vez de ambos interpretando um evento de e-sports.

“Nós interpretamos na BlizzCon nos últimos três anos e, na verdade, eu tenho experiência pessoal com a Blizzard por ser uma jogadora também”, disse Change. “Eu pude repassar um pouco de conhecimento para Jann. Tivemos que fazer mais pesquisas porque nunca tínhamos feito um torneio”.

Essa pesquisa envolveu consultar outras pessoas na comunidade de surdos, ou os próprios clientes, sobre sinais que se referem a coisas que existem somente no mundo dos jogos.

“Definitivamente, há termos nos jogos que você jamais usaria no dia a dia”, explicou Change. “É muito útil ter ali a pessoa surda que conhece o jogo. Assim, se há um termo como ‘ganking’, nós não sabemos o sinal para isso mas eles têm um sinal, então podemos perguntar. Eles passam para nós usarmos”.

Isso acontece com Danik e seus amigos, que criaram sinais para heróis do Overwatch.

“Eu sinto a energia”

Com os intérpretes informados sobre os termos únicos de cada evento, a interpretação em si é um trabalho de duas pessoas, algo que tem seus próprios desafios.

“Quando eles vão assistir a um torneio, os olhos ficam grudados na tela. Se ouvirmos um narrador dizer 'ah, meu Deus!' ou algo engraçado e a pessoa surda notar que o público todo está rindo, vamos informá-la, vamos contar a ela essa piada”, explicou Change. "Estamos lá para dar acesso a qualquer coisa que esteja acontecendo, mas quando se trata de assistir ao torneio, os olhos deles ficam grudados".

“Meus olhos ficam na pessoa surda quando estou ali no calor do momento”, adicionou Goldsby. “Se eu escuto algo extra, algo que faz a plateia reagir, eu posso repassar isso enquanto [Ashley] pode ficar de olho na partida para acompanhar como as coisas estão. E aí a gente troca: eu fico de olho no jogo e ela, na pessoa surda. Então estamos bem presentes durante o jogo, e ainda temos que dar apoio um ao outro.

“Eles não tiveram nenhuma limitação de perguntar para alguém ‘ei, aonde eu arrumo essa camiseta?’ ou ‘posso pegar autógrafos depois do show?’. [Danik] conseguiu abordar um dos intérpretes e eles puderam contatar um funcionário para responder a pergunta, e eles ficaram superanimados. Eu achei que foi bastante divertido - além de assistir, é claro!”

Foi assim que Danik conseguiu ter sua camiseta autografada pelo seus jogadores favoritos da Valiant, Terence “SoOn” Tarlier e Brady “Agilities” Girardi, quando ele visitou a arena. Suas experiências são, em grande parte, as mesmas de qualquer outra pessoa. Ele pode não conseguir ouvir os gritos da torcida, mas gosta do jeito que a arena vibra nessas horas - e durante as partidas, isso foi constante.

Amelia: deve ter sido tão legal
Danik: sim!
Danik: O negócio do balão de som foi divertido
Amelia: um balão de som? O que é isso?
Danik: a coisa que você recebe no começo
Amelia: Ah, os thundersticks!
Danik: aaah
Danik: eu não sabia que tinha um nome

Apesar das pequenas diferenças entre a experiência ao vivo de Danik em comparação com a sua ou a minha, o nosso divertimento com a liga é fundamentalmente o mesmo. No entanto, jogar Overwatch é uma história bem diferente, e há algumas coisas menores que Danik considera difíceis: por exemplo, reagir às dicas sonoras de habilidades supremas como o Tiro Certeiro do McCree.

Como é ser um fã surdo da Liga Overwatch? Na experiência de Danik, não há muita diferença. Pode ser até um pouco mais legal, com a linguagem de sinais e tudo mais. Mas Danik é exatamente como o resto de nós.

Danik: Eu fiz isso para o jogo que eu fui.
Danik:

É.

Exatamente como o resto de nós.

A Liga Overwatch sempre tentará acomodar fãs surdos oferecendo intérpretes da ASL em eventos; só precisamos de um aviso prévio de pelo menos uma semana. Se você for surdo ou tiver deficiência auditiva e comprar ingressos para a Liga Overwatch, entre em contato com experience@overwatchleague.com.