O pôr do sol coloria lentamente o céu de Seul, como se fosse uma aquarela. Um laranja forte riscava o horizonte enquanto aviões planavam enfileirados, aguardando o pouso. Abaixo deles, um ônibus sacolejava por uma rodovia entre morros verdes no crepúsculo. Naquele ônibus estavam Jake “Jake” Lyon, Jiri “LiNkzr” Masalin, Benjamin “BigGoose” Isohanni, Stanislav “Mistakes” Danilov, Malik Forté e eu. Eles conversavam animados, mesmo com todo o cansaço, enquanto o ônibus nos carregava desajeitadamente para o hotel.

“Preciso de uma ducha. Estou podre”, resmunguei enquanto pegava a chave do quarto.

“Retuíte certo”, Jake concordou, sabiamente.

NO PALCO INTERNACIONAL

A Copa Mundial de Overwatch 2018 engloba muita coisa. É a melhor competição fora da temporada da Liga Overwatch. É uma oportunidade para ex-colegas de equipe se reunirem e acertarem cabeças como nos velhos tempos. É a chance de torcedores de todo o mundo verem seus ídolos frente a frente. É um holofote para talentos em ascensão, um trampolim que pode levá-los à Liga Overwatch. E é uma chance de fazer novas amizades.

Incheon's Standout Players

Jogadores de destaque em Incheon

Descubra qual jogador de cada equipe nos impressionou mais no grupo da Coreia do Sul.

Dias antes do início da disputa no grupo de Incheon, jogadores da Coreia do Sul, Hong Kong, Japão, Finlândia, Rússia e Taipé Chinesa zanzavam pelo hotel. Em um café ao lado, Yeon-Jun “Ark” Hong, da Coreia do Sul, estava sentado na frente de Takahiro “Claire” Watanabe, do Japão, os dois bebericando e mexendo no celular sob as luzes de neon de Hangul.

Mais tarde, enquanto os jogadores se reuniam para tirar os retratos para a transmissão, comentaristas conversavam com todas as equipes para conhecê-las melhor. A seleção de Hong Kong admitiu o nervosismo de jogar no palco, já que a maioria nunca tinha vivido nada parecido com a Copa Mundial.

“A Copa Mundial também foi minha primeira LAN”, disse Jake, amavelmente.

Crowd shot at Incheon

Cartões postais de Incheon

1º dia | 2º dia | 3º dia

Quando a seleção japonesa é entrevistada, o comentarista pergunta em qual equipe da Liga Overwatch eles gostariam de jogar, se pudessem. Sean “ta1yo” Henderson traduz a pergunta para o japonês para seus colegas e Claire responde rapidamente, agarrando os braços da cadeira.

“Ele disse que jogaria em qualquer equipe, em qualquer função que quisessem”, diz Ta1yo enquanto Claire aponta para Jake e para si mesmo, assentindo com entusiasmo.

SISTEMA DE SUPORTE

Durante três dias, centenas de torcedores lotaram o Studio Paradise para assistir às partidas. Não só havia muitas mulheres, como elas eram a maioria. As mulheres, muitas vestindo camisas da Liga Overwatch, eram incrivelmente organizadas e traziam cartazes caseiros de alta qualidade e sacolas de presentes para seus jogadores favoritos. Era a chance delas de ver seus ídolos em carne e osso, e não perderam a oportunidade.

Team Seoul

Origens da Copa Mundial: Saebyeolbe

Desde fazer café até representar seu país, o caminho de Saebyeolbe para o estrelato inclui duas paradas na Copa Mundial de Overwatch.

A intensidade aumentou quando os fãs locais puderam torcer pela seleção sul-coreana no palco. Eles usaram um sistema coordenado de coros no início das partidas. Quando os segundos finais antes de um mapa chegavam, uma líder fazia a contagem regressiva de três até um em coreano, o mais alto que podia. E, quando ela terminava, o público gritava algo que pode ser traduzido como “Coreia do Sul na luta!”.

É claro que havia uma preferência pela equipe da casa, mas o público de Incheon foi extremamente educado com todos os competidores. Antes de todos os confrontos, a seleção finlandesa se juntava no palco e se dispersava com um grito de “Torille!”. O público abraçou essa tradição imediatamente, gritando e batendo seus bastões em reconhecimento.

A torcida manteve a animação durante todo o evento. Os torcedores balançavam silenciosamente seus bastões no ar, para frente e para trás, enquanto os comentaristas falavam entre os mapas. Eles comemoravam todas as eliminações. E eles saudavam quando uma equipe perdedora saía do palco, inclinando os bastões na direção dela, como se estivessem agradecendo o esforço.

Taimou

Origens da Copa Mundial: Taimou

Seguimos a trajetória de Taimou em Overwatch, desde a profissionalização até jogar pela Finlândia e entrar na Dallas Fuel.

A exuberância dos torcedores aparecia no palco e fora dele. Os jogadores não conseguiam ir a lugar nenhum sem serem cercados. Alguns torcedores aguardavam os jogadores nas saídas laterais e mandavam mensagens para avisar os amigos. Grandes filas se formavam, serpenteando junto das paredes do saguão.

Quando a seleção finlandesa saiu do palco após o último confronto do grupo de Incheon, BigGoose ficou um pouco para trás, enrolando o cabo do seu teclado. Assim que ele desceu para ir aos bastidores, um grupo de torcedoras de pé na primeira fila começou a gritar “BigGoose! BigGoose!”.

Quando ele se virou, elas começaram a acenar, dizendo “na luta!”. Ele sorriu para elas com uma certa incredulidade no rosto.

Esta é a parte incrível dos e-sports, de Overwatch e da Copa Mundial de Overwatch: todos nós amamos, não importa em que lugar do mundo estamos. E parte da graça é descobrir como torcedores diferentes demonstram esse amor.

A Copa Mundial de Overwatch volta na sexta, dia 7 de setembro, quando a Blizzard Arena receberá o grupo de Los Angeles, com Áustria, Brasil, Canadá, Noruega, Suíça e EUA.