A principal atração da 2ª Fase foi uma atualização de balanceamento enorme, a 1.34, que introduziu o mais novo herói de Overwatch, Baptiste, e atingiu em cheio alguns elementos da popular formação de dois trios. Agora que já temos uma semana de suculentos dados da Liga Overwatch, chegou a hora de vermos o impacto de Baptiste no meta e nos melhores jogadores do mundo. Chegou a hora de avaliarmos a atualização 1.34.

Vamos começar logo de cara analisando as composições. A mais usada na 1ª Fase de 2019 foi disparada a de dois trios com Reinhardt, Zarya, D.Va, Lúcio, Zenyatta e Brigitte. Ela esteve presente em 58,6% do tempo de jogo da última fase. No entanto, se incluirmos nesses números as vezes em que Reinhardt foi substituído por Winston ou, no caso da Chengdu, Wrecking Ball, o tempo de uso da composição de dois trios sobe para 73,2%.

Na 2ª Fase, já podemos notar uma mudança drástica no meta. As composições de dois trios foram usadas em apenas 47,7% do tempo de jogo da 1ª Semana. A segunda formação mais popular? 3 DPS, 2 suportes e 1 tanque (3-2-1). No geral, composições com pelo menos dois heróis de DPS abocanharam quase 35% do tempo de jogo da semana. Precisamos entender que é provável que essa diferença se deva à mudança na seleção de mapas da 1ª para a 2ª Fase, mas não acredito que seja a única explicação. A formação de dois trios não morreu, mas já é um começo.

A parte mais incrível da ressurreição dos DPS é que nenhum herói ou composição específica dominou o tempo de jogo. Por exemplo, a composição 3-2-1 mais comum foi Sombra, Tracer, Widowmaker, Ana, Lúcio e Wrecking Ball, que entrou em jogo por apenas 35 minutos, 2,4% do tempo total. Na verdade, 27 composições diferentes com pelo menos dois heróis de DPS foram usadas por mais de cinco minutos na primeira semana da 2ª Fase, e uma delas tinha até uma Symmetra. Confira o percentual de uso de cada herói no gráfico abaixo:

Para mim, isso tem dedo de um repertório de mapas com geometrias muito diferentes e de equipes que ainda não encontraram qual é o novo meta. Nas próximas semanas, imagino que certos heróis ganhem mais popularidade que outros e o meta comece a tomar forma em torno de composições de DPS.

Por falar em certos heróis, vamos dar uma olhada mais a fundo nas notas da atualização de balanceamento 1.34 e ver se as mudanças se refletem nos dados. Há um herói em especial que eu pretendo analisar aqui: Winston. Apesar de não ter recebido nenhuma melhoria de direta, duas mudanças gerais no jogo tiveram um impacto perceptível no gorila.

Das notas de atualização:

Comentários dos desenvolvedores: Havia muita variação no dano na armadura causado por efeitos de dano ao longo do tempo, como a Mina Venenosa da Widowmaker, e por armas de feixes, como o Projetor de Fótons da Symmetra. A partir de agora, o dano será mais constante e previsível.

  • Dano de feixe reduzido em 20% ao atingir armadura
    • Mei: Disparo primário; Moira Disparo alternativo, Coalescência; Symmetra: Disparo primário, Torre de Sentinela; Winston: Disparo primário; Zarya: Disparo primário
  • Efeitos de dano ao longo do tempo não são mais mitigados pela armadura
    • Ana: Disparo primário; Ashe: Dinamite; Hanzo: Golpe do Dragão; Mei: Nevasca; Moira: Orbe Biótico; Widowmaker: Mina Venenosa; Zarya: Surto de Grávitons

Essa mudança tem muito mais implicações do que parece. Em vez de reduzir todo o dano causado por feixe a armadura em 20%, a nova leitura correta é: “dano de feixe agora interage com armaduras exclusivamente por meio de uma redução de 20%”.

O que isso quer dizer? Antes, todo dano de feixe era reduzido pela armadura do mesmo jeito que a armadura reduz outros danos: uma redução de 50% se o tique do dano fosse menor que 6 ou uma redução fixa de 3 por tique se fosse maior que 6. Para Winston, isso se traduzia em uma redução de 50% no dano, pois os tiques do Canhão de Tesla causam menos que 6 de dano. Essa mudança parece ser prejudicial, mas, para Winston, ela representa uma melhoria considerável. Afinal de contas, uma redução de 20% é bem menor que uma de 50%!

O que nos leva à nossa próxima pergunta: é possível ver essa melhoria nas estatísticas? Abaixo, eu separei os dados de Winston na última Fase da Liga e comparei com a 1ª Semana desta Fase:

Dano causado em heróis/10 min Golpes finais/10 min Tempo médio para usar a suprema (s) Supremas usadas/10 min
Média da Liga, 1ª Fase 7.424,7 4,7 89,7 3,8
Média da Liga, 2ª Fase 7.821,9 4,9 87,6 4,1
Variação percentual 5,35% 4,58% -2,35% 7,09%

Apesar de não ter recebido nenhuma melhoria direta, Winston está causando 5,35% a mais de dano, desferindo 4,58% mais golpes finais e carregando a suprema 2,35% mais rápido na 2ª Fase do que na 1ª. A Fúria Primata, inclusive, está sendo usada com uma frequência 7,09% maior do que na fase anterior.

A diferença parece pequena, mas precisamos levar em consideração também que as composições mudaram bastante, como foi mostrado antes. No meu tempo trabalhando com as estatísticas de Overwatch, notei que certos dados, como dano e cura de herói, são bastante afetados pela quantidade de vida dos heróis adversários. Um alvo com só 200 de vida é muito mais fácil de eliminar que um tanque com 400 ou 500+ de vida, e, ao eliminar um herói, você para de causar dano, então seu dano em heróis/10 min não aumenta. Com isso em mente, vale lembrar que o uso das composições de dois trios caiu de 73,2% na 1ª Fase para 47,7% na 2ª. Uma composição padrão de dois trios tem em média 375 de vida*, já uma de 2-2-2 tem por volta de 300. É totalmente plausível que o dano do Winston tenha aumentado bem mais que 5,35%, mas isso não seja visível devido a uma queda na média de vida dos adversários.

*Somando as formas piloto e mecha da D.Va

O que eu quero dizer que é que o dano do Winston está oficialmente assustador, mesmo sem ele ter sofrido nenhuma mudança direta. Há outro ponto positivo nessas mudanças: não só o Winston está causando mais dano contra alvos com armadura, como a suprema dele continuou a mesma no papel. Pudemos ver que, mesmo com a diferença no meta, os jogadores de Winston estão carregando mais rápido e usando mais a Fúria Primata, e tem mais: ela está muito mais letal. Outro trecho da atualização:

Comentários dos desenvolvedores: As repulsões agora são menos afetadas pela forma como o inimigo estava se movendo ao ser atingido. Em vez de parecer curta ou longa ao acaso, a distância das repulsões agora é semelhante, não importa qual seja o movimento do inimigo que levou o empurrão. O jogo ficará mais fluido e realista com heróis em voo sendo repelidos adequadamente, como a Mercy ao usar a Valquíria ou a D.Va ao usar os Propulsores.

  • A distância das repulsões agora está mais consistente
  • Heróis agora podem ser repelidos e desacelerados durante o voo

Essa mudança torna as repulsões mais consistentes. Assim, os especialistas em Winston da Liga Overwatch conseguirão fazer malabarismo com os inimigos com mais facilidade. Apesar da taxa de repulsão dos jogadores não ter mudado muito ao longo das atualizações, a Fúria Primata se tornou 14,5% mais letal, garantindo 2,94 golpes finais/10 min na 2ª Fase, em comparação com os 2,57 da 1ª Fase.

De novo, essa mudança também está sujeita à "influência da vida dos heróis", assim como o dano em heróis: Eliminar heróis com 200 de vida usando Fúria Primata é muito mais fácil do que eliminar tanques. No entanto, um aumento dessa magnitude ajuda a explicar por que Winston roubou o lugar de Reinhardt como o tanque principal do meta da 2ª Fase. No geral, uma composição de dois trios com Reinhardt supera a mesma composição com Winston, mesmo com essas melhorias, mas a disputa agora está mais acirrada e o resultado depende mais das vantagens e desvantagens de cada mapa. Por exemplo, se você estivar atacando ou defendendo o segundo ponto do Observatório: Gibraltar, provavelmente é melhor usar Winston:

Mas, ao passar desse ponto para atacar o terceiro, as equipes preferem Reinhardt por conta da falta cobertura contra os ataques dos inimigos:

Todas as análises de tanques até agora fingiram que não viram o hamster mecha de 300 kg: Wrecking Ball. Se, nas próximas semanas, a Chengdu Hunters continuar atropelando as outras equipes como nas duas vitórias da primeira semana da 2ª Fase, prepare-se para ver mais gente indo de laranja (de vários modos). Ó Ameng, guie-nos ao futuro redondo que aguarda a todos nós.

Ben “CaptainPlanet” Trautman é produtor de estatísticas da transmissão global da Liga Overwatch. Siga-o no Twitter!